Boi gordo: oferta restrita volta a elevar preços da arroba no país

Boi gordo: oferta restrita volta a elevar preços da arroba no país

A escassez de animais para o abate é uma variável que seguirá presente no mercado até a virada do ano, segundo analista da Safras

Por Agência Safras

O mercado físico de boi gordo registrou preços mais altos nesta quinta-feira. Segundo o analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, já há sinais de acomodação na escalada dos preços. “Em São Paulo, por exemplo, os frigoríficos voltaram a operar com escalas de abate mais confortáveis. Já em Minas Gerais e no Mato Grosso, o movimento de alta ainda acontece de maneira consistente. Os frigoríficos desses estados voltam a encontrar maior dificuldade na composição de suas escalas de abate”, assinalou o analista.

A oferta de animais terminados no geral é restrita. “Esta é uma variável que seguirá inalterada no mercado até a virada de ano. “Quando se trata de animais terminados em pastos, a decisão de venda do pecuarista tem um peso maior”, esclareceu.

Em relação à China, não há novidades desde que houve o aceite de lotes certificados até o dia 03 de setembro. “Basicamente, ainda não há um parecer, tampouco uma precisão de quando a nova produção de carne bovina brasileira terá sua entrada permitida pelas autoridades chinesas”, apontou.

Com isso, em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 319 – R$ 320 na modalidade à prazo, ante R$ 318 na quarta-feira. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 315, contra R$ 315. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 311 contra R$ 310. Em Cuiabá, ao valor foi de R$ 303, ante R$ 301. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 325 por arroba, ante R$ 320.

Atacado

O mercado atacadista segue apresentando alta em seus preços. A indústria frigorífica continua em modo de preparação para as festividades de final de ano, período tradicionalmente é pautado por movimentos interessantes de alta da carne bovina no atacado, disse Iglesias. “Mas, o grande limitador de momento é a menor capacidade por parte do consumidor médio em absorver novos reajustes da carne bovina no varejo”, ponderou. O quarto traseiro foi precificado a R$ 23 por quilo, alta de 0,25 centavo. A ponta de agulha foi precificada a R$ 15,50 por quilo, alta de R$ 0,50. O quarto dianteiro foi precificado a R$ 16 por quilo, alta de R$ 0,10.