Carne bovina: São Paulo vê grande oportunidade de negócios junto à China

Carne bovina: São Paulo vê grande oportunidade de negócios junto à China

Expectativa é que exportação fique ainda mais forte com a habilitação de novos frigoríficos – Foto: Cidasc-SC

O secretário de Agricultura do Estado de São Paulo, Gustavo Junqueira, destacou que o estado vê as novas habilitações de plantas frigoríficas pela China como uma grande oportunidade de negócios. “São Paulo é o grande hub de consumo e exportação de carne bovina, por conta da produção extensiva e intensiva, via confinamentos, que de certo modo ainda é pouco explorada e que aumentará muito com a consolidação de gestão de custos e genética”, afirma.

Conforme Junqueira, o estado tem se destacado tanto em volume de produção de carne quanto em nichos, tomando como exemplo os projetos de melhorias em genética do nelore proporcionando a melhoria do marmoreio dos cortes, já comparados com as raças europeias.

Na visão do secretário a exportação ainda mais forte será conseguida com a habilitação de novos frigoríficos, embora seja preciso que os governos tenham um novo olhar com relação à China, no que tange à defesa sanitária.

“É preciso modernizar processos, buscando também entender o que eles realmente estão buscando, de modo a atender seus padrões de consumo e de importação”, conclui.

China habilita mais 13 frigoríficos brasileiro a exportar

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, anunciou na terça-feira, 12, a habilitação pela China de 13 plantas do Brasil. Segundo ela, o país asiático liberou cinco frigoríficos de suínos, cinco de carne bovina e três de aves. “Essa é a grande notícia do dia”, disse. Na semana passada, os chineses já haviam habilitado sete indústrias de Santa Catarina a exportar miúdos de suínos.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) comemorou a habilitação. De acordo com o presidente da entidade, Francisco Turra, as cinco novas plantas produtoras e exportadoras de suínos e as três unidades de aves devem ampliar ainda mais a importância da China na pauta exportadora de proteína animal. Agora, o Brasil passa a contar com 16 plantas habilitadas para exportar carne suína para o mercado chinês, e 46 plantas para embarques de carne de frango.

“Nas prévias da realização do encontro dos BRICS, grupo composto por Brasil, Rússia, Índia e China, a notícia das novas habilitações dá o tom da parceria que China e Brasil estão construindo em prol da segurança alimentar e da ampliação da pauta comercial. Já consolidado como principal fornecedor externo de frango para a China, o Brasil agora deve expandir sua participação, também, nas vendas de carne suína”, ressalta. Vale citar que o gigante asiático passa por um grave surto de peste suína africana, que já dizimou milhões de animais.

Segundo a entidade, desde o início do ano, a China assumiu a liderança entre os principais destinos das exportações da avicultura e da suinocultura do Brasil. Entre janeiro e outubro, o país asiático importou 183,1 mil toneladas de carne suína, alta de 40% em relação ao mesmo período do ano passado, gerando receita de US$ 429,8 milhões (+66%). Em relação à carne de frango, foram 444,7 mil toneladas, incremento de 22%, com resultado cambial de US$ 931,7 milhões (+38%).

Ao todo, 31,4% da carne suína e 13,3% da carne de frango exportadas pelo Brasil em 2019 foram embarcadas à China

Confira os frigoríficos habilitados, segundo apuração do Canal Rural:

Carne bovina

  • Marfrig Global Foods – São Gabriel (RS)
  • Frigorífico Sul – Aparecida do Taboado (MS)
  • Naturafrig Alimentos – Pirapozinho (SP)
  • Marfrig Global Foods – Pontes e Lacerda (MT)
  • JBS – Senador Canedo (GO)

Carne suína

  • Seara Alimentos – Seberi (RS)
  • Seara Alimentos- Três Passos (RS)
  • JBS – Caxias do Sul (RS)
  • Cooperativa Central Aurora – Sarandi (RS)
  • BRF Brasil Foods – Lajeado (RS)

Carne de frango

  • Unitá Cooperativa Central – Ubiratã (PR)
  • União Avícola Agroindustrial – Nova Marilândia (MT)
  • Zanchetta Alimentos – Boituva (SP)