Invasão de propriedade rural é injustiça, afirma Kátia Abreu

“Se os índios foram injustiçados, hoje os injustiçados somos nós”.  A fala da presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, deu o tom dos discursos durante a movimentação “Onde tem Justiça, tem espaço para todos”, realizada em Mato Grosso do Sul e, simultaneamente, em outros sete estados brasileiros. Organizada pela Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul) e CNA, a manifestação pede segurança jurídica ao produtor rural e paz no campo.

Mais de cinco mil produtores rurais se reúnem em Nova Alvorada do Sul, onde acontece a movimentação sul-mato-grossense. Vários parlamentares da bancada federal e estadual e o senador Valdemir Moka estiveram presentes na manifestação. A senadora foi aplaudida pelos produtores ao defender a compra de propriedades para a ampliação de áreas indígenas.  “Temos que dizer compra de fazenda e não indenização. E compra de fazenda de produtor rural que quiser vender”, defendeu.

A senadora falou com um grupo de produtores que tem propriedade invadida no Estado, entre eles Ricardo Bacha, proprietário da fazenda Buriti, em Sidrolândia, onde a Polícia Federal realizou a reintegração de posse no último dia 30, sendo que a área voltou a ser invadida pelos índios terenas. “Que se cumpram as leis desse país e nos deixem produzir em paz”, pediu a senadora.

O presidente da Famasul, Eduardo Riedel, disse que este é um dos momentos mais críticos da produção rural brasileira. “Não é justo expulsar 20 mil produtores como ocorre no Maranhão. Não vamos sossegar enquanto houver uma propriedade invadida em MS”, defendeu.

Fonte: Assessoria de Imprensa Sistema Famasul