Jovens empresários rurais garantem a modernização do campo

As profundas transformações tecnológicas, sociais, econômicas e políticas impuseram novos desafios aos produtores rurais. Nesse novo cenário, para que as famílias do campo enfrentem essas mudanças com sucesso, há a necessidade de assumirem o papel de empresários do setor rural. Pensando nisso, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/SC) oferece aos jovens catarinenses um dos mais avançados treinamentos do País – o Programa Empreendedor Rural (PER).

Nesta semana, 406 jovens de 17 municípios catarinenses, com idade mínima de 18 anos, participaram no auditório do Lang Palace Hotel, em Chapecó, do Seminário de Empreendedorismo Rural e encerramento do Programa Empreendedor Rural (PER) de 2012. A formação profissional foi totalmente custeada pelo Senar/SC que desembolsou 400 mil reais no Programa Empreendedor Rural deste ano.

Em seu pronunciamento, o presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo, destacou que o Senar oportuniza aos produtores rurais do Estado a participação em aproximadamente 500 cursos. No entanto, nenhuma entrega de certificados é tão comemorada como a do Empreendedor Rural. “Vocês, estão levando conhecimentos extremamente úteis sobre estratégias de gestão e novas tecnologias para que possam permanecer nas propriedades com qualidade de vida e com êxito em seus negócios. Além disso, estão preparados para a sucessão familiar”, afirmou.

Além do presidente da Faesc/Senar, estiveram presentes na solenidade, o vice-presidente da entidade Enori Barbieri, o superintendente do Senar/SC Gilmar Zanluchi, o secretário de agricultura de Chapecó, Altair Silva, o vice-presidente regional oeste da Faesc e presidente do Sindicato Rural de Chapecó, Américo do Nascimento, além de presidentes de sindicatos rurais do Estado e representantes de cooperativas agropecuárias.

PROJETOS

Durante o evento três projetos – desenvolvidos pelos formandos – foram selecionados para apresentação no seminário. Entre eles, esteve o de melhoramento do Sítio Santa Inês com ênfase na bovinocultura leiteira, de Treze Tílias, apresentado pela autora Suelen Mantoani Krug, sob a supervisão do facilitador Vilson José Ghidorsi.

A família de Suelen atua com foco nas lavouras de milho e pastagens para o gado. A estrutura do sítio, de 21,3 hectares, inclui sinal de internet, celular, poço artesiano e fontes de água própria. A missão do projeto é produzir proteínas de qualidade, com respeito ao meio ambiente, visando abastecer o mercado consumidor, proporcionando rentabilidade à família.

O estudo de mercado apontou a necessidade de investimentos de R$ 179.019,00 para aumentar o rebanho leiteiro, construção de uma sala de ordenha, aquisição de um botijão e outros instrumentos de inseminação artificial, troca de resfriador a granel e construção de um tratador para bovinos. As estimativas de receitas do projeto de melhoria somam R$ 61.500,00 (leite, lavouras, venda de bezerros e vacas de descarte) e as estimativas de desenbolso totalizam R$ 54.857,51.

Também foi apresentado o projeto de construção de aviário, pelo autor Fernando Rodrigues, sob a supervisão do facilitador Ricardo Alexandre Nunes Borges, do município de Grão Pará. O objetivo é implantar um aviário com capacidade para produzir 390 mil aves por ano e, com isso, obter remuneração mensal acima de um salário mínimo aos filhos e a esposa.

Outro projeto exposto foi o de “agroindústria de conservas vegetais”, desenvolvido por Maiara Eloi da Silva, sob a supervisão da facilitadora Marlinde Hoepers, do município de Laurentino.

PALESTRA

A programação do evento também incluiu palestra do professor Heinz sobre “Atitudes e Resultados”. Administrador, pós-graduado em qualidade e produtividade e em dinâmica de grupos, consultor em planejamento estratégico e programas de excelência organizacional, Heinz é autor da obra Atitudes de Resultado, tema da preleção no seminário.

FORMANDOS

Os 406 formandos deste ano são produtores rurais dos municípios de Abdon Batista, Água Doce, Araranguá, Chapecó, Grão Pará, Ipira, Iporã do Oeste, Irineópolis, Itá, Laurentino, Leoberto Leal, Rio do Oeste, São José do Cedro, Seara, Treze Tílias, Vargem e Pinhalzinho.

Este foi o sexto ano do PER que iniciou em 2007 com duas turmas e 50 participantes e prosseguiu em 2008 (sete turmas e 176 participantes), 2009 (17 turmas e 413 participantes), 2010 (43 turmas e 1.050 alunos), 2011 (39 turmas e 999 participantes) e 2012 (17 turmas e 406 formandos). A Copérdia, de Concórdia, foi a parceira pioneira do Senar na implantação do programa em Santa Catarina, em 2007.

O superintendente do Senar/SC, Gilmar Zanluchi, assinala que o programa busca transformar o produtor rural em empreendedor, além de desenvolver competências empreendedoras e preparar líderes para ações sociais, políticas e econômicas sustentáveis no agronegócio brasileiro.

Fonte: Agrolink