MS integra base de dados criada para desenvolver a pecuária

Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins já estão compartilhando informações na Plataforma de Gestão Agropecuária (PGA), a base de dados do setor que vai integrar num único sistema informações do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) e dos órgãos de defesa agropecuários estaduais. O detalhamento da formação da PGA foi apresentado nesta terça-feira (21), na reunião do Fórum Nacional Permanente da Pecuária de Corte (FNPPC), realizada na Associação Brasileira da Indústria de Exportação de Carne (ABIEC), em São Paulo (SP).

Ferramenta elaborada e gerenciada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a PGA vai concentrar informações relativas a pessoas físicas e jurídicas de todos os elos das cadeias do setor. “A Plataforma é uma ferramenta mais moderna do setor dos últimos 50 anos”, afirmou o presidente da Abiec, Antonio Jorge Camardelli. “É um instrumento que vai dar ao setor o suporte para integrar os elos da cadeia da agropecuária”, afirmou o diretor-secretário da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), Ruy Fachini. A representação da Famasul na reunião também foi formada pelo superintendente, Rogério Beretta, e pelo presidente da Comissão de Pecuária de Corte da entidade, José Lemos Monteiro.

A base de dados é uma das metas a agenda positiva elaborada pelo Fórum, órgão ligado à CNA e formado por representantes da indústria e do varejo, na busca de soluções para os gargalos da pecuária brasileira. Entre as metas está a formação do Conselho de Preços do Boi (Consebov), com a finalidade de discutir parâmetros de formação do preço da carne e de outras normas que deverão ser estabelecidas na câmara técnica deste conselho.

A agenda também prevê a definição de padrão de carcaças e a busca por novos mercados para a carne brasileira. A constituição de um seguro contra quebra de frigoríficos também está entre as metas do Fórum. “A agenda estabeleceu as prioridades com base nas principais dificuldades apresentadas pelo produtor, indústria e varejo”, enfatizou Monteiro.

O Fórum vai formar uma câmara técnica para a constituição do Consebov e definir a instituição de pesquisa que vai dar suporte à formalização do conselho. “O Consebov coloca produtor, varejo e indústria na mesma mesa, o que torna transparente a formação de preço da carne”, avalia o superintendente da Federação da Agricultura e Pecuária de MT (Famato), Seneri Paludo.

Fonte: Assessoria de Imprensa