Sindicatos Rurais terão Índice de Desenvolvimento

Assim como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) que mede, a partir de vários parâmetros, as características sociais e econômicas das cidades brasileiras, agora os sindicatos rurais de Mato Grosso do Sul também terão uma avaliação similar voltada para suas ações e metas. O Índice de Desenvolvimento Sindical (IDS) foi anunciado nessa quarta-feira na Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul) e reforçado por representantes da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), no lançamento do Sindicato Forte, no Sindicato Rural de Campo Grande, nessa quinta-feira (25).

De acordo com a CNA o principal objetivo do IDS é fortalecer as ações dos sindicatos no Estado, de modo que impacte positivamente no desenvolvimento do agronegócio da região. “Viajamos pelo interior e capital do Mato Grosso do Sul com a finalidade de fazermos um diagnóstico de cada sindicato rural, assim poderemos mensurar os resultados e auxiliar um a um em suas demandas”, afirmou o presidente da Famasul, Eduardo Riedel.

A apresentação sobre como funcionará o IDS que será implantado em MS a partir no próximo ano, foi conduzida pelos representantes do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Central), Olympio Bezerra e Ademar dos Anjos e pela equipe da CNA, Arlete Salles e Celso Iran Botelho. De acordo com os técnicos para a mensuração dos números que serão gerados no IDS serão levados em consideração os resultados do Sindicato Forte, programa que qualifica dirigentes e colaboradores para que prestarem tratamento personalizado ao produtor.

“Apresentamos o Sindicato Forte como um método que auxiliará na melhora da gestão dos sindicatos rurais, entidades que reúne toda a classe produtora, responsável pela pujante economia local e nacional”, destacou Botelho, ao exaltar o crescimento das ações do Senar junto com os sindicatos, por meio de programas e capacitações. “O Senar deu um salto impressionante nos últimos anos e está atraindo a atenção de outros países, como a África que quer utilizar as expertises da entidade para capacitar os produtores daquele país”, revela.

Com foco na importância da comunicação efetiva para se alcançar a eficiência nos resultados pretendidos, Olympio Bezerra evidenciou que é preciso investir em ações de divulgação do trabalho dos sindicatos, fator que colabora para o surgimento do interesse dos produtores rurais pelas iniciativas sindicais. “Para ser lembrado é preciso investir na comunicação com os produtores. Se o produtor não souber o que o sindicato faz e sua importância, não terá interesse por ele. É preciso mostrar o quanto os sindicatos são essenciais”, apresenta o representante da CNA.

Sindicato Forte – Iniciado nesta quinta-feira (25) em Campo Grande, o Programa Sindicato Forte tem o objetivo de fortalecer as relações institucionais, capacitar líderes do agronegócio e analisar ações dos 68 sindicatos rurais, beneficiando produtores rurais de 72 municípios de Mato Grosso do Sul. A iniciativa já foi apresentada em Dourados, Jardim, São Gabriel do Oeste e ficará na Capital hoje e amanhã, beneficiando os dirigentes e colaboradores do sindicato d e Campo Grande e de outros oito municípios da região.

O Sindicato Forte finalizará sua primeira etapa em agosto e tem previsão de encerrar os diagnósticos dos sindicatos rurais até o final deste ano. Após a avaliação dos resultados, Famasul e CNA começarão com os processos do IDS, que já está implantado em outros estados.

Fonte: Assessoria de Imprensa Sistema Famasul