Exército reforça fiscalização contra aftosa

Foto: Fábio Dorta
Homens do exército darão continuidade à operação para fiscalizar fronteiras contra aftosa

Exército reforça fiscalização contra aftosa, reprime contrabando e treina a tropa

São duas operações – ‘Boiadeiro’ e ‘Anhanduí’ – realizadas em Mato Grosso do Sul

O Exército inicia hoje (10) em todo o Estado mais duas Operações, a ”Boiadeiro” e ”Anhanduí”.

A primeira, denominada Operação “Boiadeiro”, tem como objetivo fiscalizar o trânsito de gado, para garantir o controle relacionado ao surgimento de focos de febre aftosa no Paraguai e também e reprimir o contrabando.

Conforme informações da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada em Dourados, a Operação é uma continuação da Operação Ágata II, e será realizada em parceria com agentes do Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), e com o apoio de cerca de 225 homens do exército brasileiro distribuídos em 15 postos de fiscalização, três patrulhas e um posto de descontaminação.

A intenção da operação é ajudar na proteção do rebanho brasileiro para evitar a contaminação por aftosa após caso detectado no país vizinho. Ela segue por tempo indeterminado, com fiscalização ao longo da fronteira desde a cidade de Mundo Novo até a cidade de Caracol. Os postos serão instalados nas principais estradas que ligam Brasil e Paraguai”, diz o tenente-coronel Barros, responsável pelo setor de Comunicação Social da 4ª BCM.

Anhanduí

Já a Operação “Anhanduí”, que se inicia hoje e vai até o dia 17 próximo, será realizada na região que abrange Campo Grande, Laguna Carapã e Dourados. A ação é um trabalho coordenado pelo Ministério da Defesa e, além do Exército, contará também com homens da Marinha e da Aeronáutica.

A operação ocorre todo ano em uma determinada parte do país, e tem como objetivo treinar homens das três forças para atuação em situações de defesa externa. A ação vai contar com o uso de helicópteros, carros de combate, entre outros. Em Dourados a 4ª BCM vai participar com cerca de 500 homens. O treinamento deve durar cerca de 10 dias.

Essa é uma operação realizada através de simulação de computadores, com parte da tropa realizando eventos críticos em terreno baseados em situações que poderiam ser reais. Porque um país que quer a paz tem que estar preparado para a guerra, então esse treinamento é muito importante, faz parte do adestramento das três forças em defesa do nosso território”, finaliza Barros.

Aquidauana

O 9º Batalhão de Engenharia de Combate (Aquidauana-MS), está preparando as instalações para receber o Comandante e o Estado-Maior da 11ª Brigada de Infantaria Leve (11ª Bda Inf L), que participará na ‘Operação Anhanduí’.

O general-de-Brigada Carlos Maurício Barroso Sarmento, comandante da 11ª Brigada e seu Estado-Maior permanecerão no 9º BE Cmb, onde funcionará o Posto de Comando da Brigada.

Fonte: Dourados News