Terenas invadem propriedades e assustam pela violência em Sidrolândia

A fazenda Buriti, localizada em Sidrolândia (MS), de propriedade do ex-deputado estadual Ricardo Bacha, foi invadida por um grupo de indígenas na manhã desta quarta-feira (15). Segundo a proprietária Jussimara Bacha, que estava no local no momento da invasão, cerca de 200 homens armados, entre indígenas e não indígenas, invadiram a Querência São José, vizinha da propriedade no início da madrugada de hoje. O segurança foi rendido, amarrado e espancado pelos invasores, que o mantiveram sob a mira de uma arma.

Após invadir a Querência, por volta das 4h30, os invasores foram até a Fazenda Buriti, de 300 hectares, onde iniciaram tiroteio. “Foi uma gritaria e muitos tiros. Eles estão preparados para uma guerra”, declarou Jussimara.

Ricardo Bacha está em Brasília, junto com a diretoria da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), para uma reunião marcada para hoje com o vice-presidente da República, Michel Temer, e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. A reunião tem justamente o objetivo de pedir, mais uma vez, a ação do Governo Federal em relação aos conflitos causados pelas invasões de propriedade em todo o país e tem a participação de lideranças de Mato Grosso do Sul e outros dez estados brasileiros.

Dona Jussimara está dentro da propriedade, junto com dois seguranças, um casal de funcionários e duas crianças e aguarda a chegada da polícia, que já foi acionada. Segundo a proprietária, durante toda a madrugada houve movimentação de vans e ônibus que desembarcavam mais invasores e um carro preto passou pelo local há pouco recolhendo parte do armamento.

Esta é a 17ª propriedade invadida atualmente entre os municípios de Dois Irmãos do Buriti e Sidrolândia, área que os índios Terenas pleiteiam para ampliar a reserva localizada na região. A intenção dos Terenas é ampliar a aldeia Buriti de 2.090 hectares para 17 mil hectares, o que contraria diretriz fixada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), elaborada a partir do caso Raposa Serra do Sol, vedando a ampliação de aldeias já demarcadas. A Polícia Federal abriu inquérito para investigar contrabando de armas por indígenas da região.

Fonte: Assessoria de Imprensa Sistema Famasul