Sindicato Rural de Bela Vista MS

PRF aponta 111 pontos de manifestações de caminhoneiros em rodovias

Segundo a PRF, são 71 interdições, onde o fluxo fica parcialmente impedido; 29 bloqueios, nos quais o fluxo está totalmente impedido; e 11 pontos de concentração

Por Estadão Conteúdo

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) indicou 111 pontos de manifestação de caminhoneiros e outros setores em rodovias federais brasileiras, conforme relatório com base em informações registradas em sistema interno até as 12h30, enviado a participantes do setor de transporte.

A manifestação é conduzida por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, contra o resultado das Eleições.

Segundo o documento, são 71 interdições, onde o fluxo fica parcialmente impedido, 29 bloqueios, nos quais o fluxo está totalmente impedido, e 11 pontos de concentração, em que um grupo de manifestantes fica fora da rodovia, sem influência no tráfego.

No relatório, populares são apontados como agentes causadores na maioria dos pontos, enquanto em outros são caminhoneiros e outros movimentos sociais.

O documento indica protestos em 17 estados (RS, SC, PR, SP, RJ, MG, ES, MT, MS, GO, AM, AC, RO, RR, PA, RN e AL).

Manifestação de caminhoneiros

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) informou que monitoramento feito pela entidade identificou participação de caminhoneiros nas manifestações que interditam rodovias pelo Brasil, após a derrota eleitoral do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Há participação não apenas da categoria. Trata-se de um movimento individual e de cunho pessoal de alguns cidadãos, sem a liderança de entidades”, disse a assessoria de imprensa da confederação.

Após o resultado da eleição que deu vitória a Luiz Inácio Lula da Silva (PT), manifestantes interditam rodovias pelo Brasil. Eles pedem a intervenção do Exército.

Há registro de envolvimento de caminhoneiros e produtores rurais nos atos.

Questionada se apoia ou não o movimento, a CNTA respondeu que “são manifestações individuais e pessoais da população, sem interferência ou coordenação de entidades”.

A CNTA congrega 850 mil caminhoneiros, por meio de 120 sindicatos, e é considerada a entidade legal de representação dos interesses da categoria. Segundo a entidade, 65% das cargas transportadas por rodovias no Brasil passam direta ou indiretamente pelos autônomos.

Governo de Santa Catarina orienta a evitar transporte de carga viva

A Secretaria de Agricultura de Santa Catarina está orientando o setor agropecuário a evitar o transporte de cargas de animais enquanto houver bloqueio em rodovias.

A secretaria cita o risco de privação de água, alimentos e exaustão, “o que em casos extremos poderia levar à mortalidade”, ressaltou em nota. A pasta diz estar monitorando as manifestações em rodovias federais do estado em conjunto com a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola (Cidasc).

Bancada ruralista emite nova sobre paralisações de caminhoneiros

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) emitiu uma nota comentando as manifestações, afirmando que “respeita o direito constitucional à manifestação”. O texto, porém, afirma que o caminho das paralisações de rodovias “impacta diretamente os consumidores brasileiros, no possível desabastecimento e em toda a cadeia produtiva rural do país”.

A nota termina com um apelo para que as rodovias sejam liberadas para cargas vivas, ração, ambulâncias e outros produtos de primeira necessidade e/ou perecíveis.