Sindicato Rural de Bela Vista MS

Rodovias de MS estão liberadas nesta quinta-feira

Hoje, há apenas um ponto de manifestação, na MS-162, entre Sidrolândia e Maracaju; trecho segue com livre acesso, diz Sejusp

Com informações do Correio do Estado

Valesca Consolaro

Nesta quinta-feira (3/11), Mato Grosso Sul registra, ainda, apenas um ponto de manifestação em rodovias. Além disso, a Polícia Rodoviária Federal de Mato Grosso do Sul (PRF-MS) confirma que, no momento, não há nenhuma via interditada pelos manifestantes.

No Estado, o ponto em que ainda há manifestação está na MS-162, entre Sidrolândia e Maracaju. Entretanto, o trecho segue com livre acesso, diz.

Desde domingo (30/10), apoiadores do atual presidente, Jair Bolsonaro, derrotado nas urnas, mostraram-se insatisfeitos com o resultado e têm realizado manifestações em todo o país, ocupando praças e locais públicos das cidades, bem como fechando a passagem em rodovias.

A informação de que há apenas um ponto de manifestação no Estado é da Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Estado de Mato Grosso do Sul (Sejusp), atualizada nesta manhã.

Diversas ações têm sido tomadas para que os manifestantes deixem as estradas, entre elas, a aplicação de multas.

Multas

Segundo a PRF, usar qualquer veículo para, deliberadamente, interromper, restringir ou perturbar a circulação na via sem autorização do órgão ou entidade de trânsito com circunscrição sobre ela incide em multa de R$ 5,860 mil por pessoa. No caso dos organizadores, a multa é de R$ 17.608 mil por pessoa.

A PRF informou, ainda, que divulgará balanço das multas ao final das interrupções ainda existentes.

Brasil

Conforme o último balanço da PRF, em escala nacional, o Brasil conta com 16 estados com rodovias interditadas

Pedido

Em vídeo veiculado na tarde desta quarta-feira (2/11), o presidente Jair Bolsonaro (PL) pede para seus apoiadores liberarem rodovias que estão obstruídas em protesto contra a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições deste ano.

O mandatário diz que outras manifestações, em praças e locais públicos são “do jogo democrático”.

Crise

Com a insistência dos manifestantes em fechar rodovias, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) alertou, nesta semana, o iminente risco de desabastecimento e falta de combustíveis.

Desse modo, foi solicitado que as rodovias fossem rapidamente desbloqueadas.

Segundo a confederação, as indústrias já sentem impactos no escoamento da produção e relatam casos de impossibilidade do deslocamento de trabalhadores.

As paralisações também atingiram o transporte de cargas essenciais, como equipamentos e insumos para hospitais, bem como matérias-primas básicas para as atividades industriais.