Sindicato Rural de Bela Vista MS

Retirada da vacina contra febre aftosa ajuda Mato Grosso do Sul a exportar carne para México

A retirada da vacina antiaftosa no rebanho sul-mato-grossense já começa a render benefícios ao Estado. A partir desta semana, o Brasil pode exportar carne bovina para o México. O país habilitou 38 plantas frigoríficas a venderem para o mercado mexicano, após 12 anos de negociações. Mato Grosso do Sul está entre as unidades da federação que poderão fazer a comercialização.

O México poderá comprar carne bovina de Santa Catarina, estado reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) como zona livre de febre aftosa. O país também poderá comprar carne in natura e desossada de outros 14 estados declarados livres de febre aftosa, com vacinação.

Na avaliação do secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Semadesc) Jaime Verruck, o Estado só conseguiu esta habilitação por conta das medidas sanitárias como a retirada da vacina antiaftosa. “No final do ano passado, a vacina foi retirada e isso acabou por ajudar a abrir este nosso mercado para o México”, destacou Verruck.

O secretário lembrou que a meta de Mato Grosso do Sul para os próximos anos, com o status de área livre de aftosa, é ter uma pecuária cada vez mais tecnificada, com uma defesa sanitária adequada. “O trabalho não cessa em momento nenhum. Nós estamos em uma fase, é um processo. O que buscamos agora é obter o status de área livre da doença que será solicitado em 2024”, reforçou.

Liberação

Na segunda-feira (6) à noite, o governo mexicano publicou os requisitos zoosanitários para a compra de carne bovina do Brasil, último passo para a liberação dos 34 frigoríficos. A autorização ocorre um mês após o México liberar a importação da carne suína brasileira.

Segundo o Ministério da Agricultura e Pecuária, a abertura do mercado mexicano representa uma oportunidade histórica para as relações comerciais brasileiras. A expansão dos mercados, informou a pasta, propicia a retomada do crescimento da pecuária, que sofreu um golpe no mês passado, com a descoberta de um caso atípico de mal da vaca louca numa fazenda em Marabá (PA).

Em 2011, o Brasil havia pedido ao México autorização para exportar aves, bovinos e suínos ao país. Desde o início do ano, destacou o Ministério da Agricultura e Pecuária, foram habilitadas plantas frigoríficas para a exportação para a Indonésia e derrubadas as suspensões de mais três frigoríficos para a comercialização aos chineses.

Os estados habilitados são: Bahia; Distrito Federal; Espírito Santo; Goiás; Mato Grosso; Mato Grosso do Sul; Minas Gerais; Paraná; Rio Grande do Sul; Rio de Janeiro; Rondônia; São Paulo; Sergipe e Tocantins, reconhecida pela OMSA com o status de livre de febre aftosa com vacinação. Segundo os técnicos da Direção-Geral de Sanidade Animal (DGSA), para eliminar qualquer risco sanitário relacionado com a febre aftosa, os produtores desses 14 estados poderão exportar para o México apenas carne maturada e desossada, a mesma exigência imposta recentemente à Argentina e há 17 anos para importar carne do Uruguai.

Publicado por: Rosana Siqueira – Semadesc